quinta-feira, 26 de março de 2009

África

Sem um tema para conter meus problemas
Vivo na falta do que fazer
Estou de cá pra lá
Em meio a cenas obscenas
Numa vida sem lazer

Contudo espero minha liberdade
Lutar por minha salvação
Tenho sede e vontade
Desejo do fundo da minha alma
Conquistar minha ambição

Meus olhos abertos vêem ao redor
Fome, desgraça, miséria, sem poder.
Pudera eu não sendo menor
Livrar-me deste temer

Sem pedir nem dizer
Aproveitam nossos frutos
Roubam nossas riquezas
Nos usam como cobaias
Nos fazendo sofrer

Seco, forte, quente, negro.
Nos levam pra outro lugar
Batem, gritam e me chamam de "negro”.
Esquecido do mundo, deixado pra lá.
Feito animais imundos
Não mais nos deixam sonhar

quarta-feira, 25 de março de 2009

O poeta digital

Esquecida a forma poética da escrita manual
Entregamos-nos ao modo automático e convencional
Em meio a tantos e-mails e “ails”
Entrelaçados aos fios e cabos
Coloquei minha pluma preta de lado

Deixei a forma cursiva das letras
Para deparar-me com esta forma ilesa
Traços tão perfeitos e simples de ter
Não imaginava que fosse possível conceber
Cedi a esta praga incontrolável

Febre que me toma e não deixa em paz
Corrompendo meus pensamentos
Chegou, alastrou e o mal consigo traz
Estragando a suavidade dos meus movimentos
Sou um escravo insano e voraz

Apesar de tudo não hesito em escrever
Ou melhor dizendo digitar
Deixo somente versos e rimas
Talvez contendo algum clima
Apenas me devorar

Luzes no céu negro

A luz de uma estrela
De volta.
Sem volta.
Mas pensando bem,
Um dia
Talvez volte.

Trem bão chamado Minas, uai!

Diz ela que quando quis
Eu não quis tais
Talvez quisesse, mas,
Por motivos pessoais
Ali não me quis mais.

Relações emotivas
Vibravam como
Passagem de locomotiva
Que latejam força
Que só Minas traz

Montanhas pintadas à mão
No horizonte infinito ir além
Viajar na arte barroca
Estampado nas casas de barro
Em pessoas nos vagões de trem

Que amor hei de procurar
Nas belas paisagens nordestinas,
Sendo que para bem amar,
Tenho que estar na minha linda terra
Chamada Minas

Brasil norte e sul

O meu cabelo é enroladinho
O meu sangue é negro
Tenho pele vermelha
Sou um índio brasileiro
E nessa terra de belezas
Tem gente do mundo inteiro
Vermelho, branco e azul.
Francês, inglês, norte e sul.

Pro norte seco sem chover
Ver meu filho não crescer
Passar fome por dias
Tem pouca água na bacia

Por que o governo omite?
Essa vergonha daqui
A TV. Não sei se diz.
Velhos vesgos a mentir
Sociedade imparcial
Cachorros grandes sem igual
Meu por que ninguém senti
Talvez consiga resistir

Será que Deus vê isso tudo?
Tem tanta gente assim no mundo
Essas brigas não têm fim
Amor e paz, pra você e pra mim.

Por que essa diferença?
Degradando meu ser
Isso não me alimenta
Devastando meu “eu”

Desordem e progresso?
Ordem e retrocesso?

Minha dona e eu

O samba não morre na ladeira
O black music na cabeça
Um bom churrasco, mulher e muita cerveja.

Um mar bem grande na minha frente
Fios de biquínis, lindos indecentes.
Belezas naturais e nada mais

Eu vou me embriagar
Eu vou encher a cara
Pra dona Maria me xingar
E depois ela dizer: vá dormir lá no sofá

A cerveja ainda está gelada
O mar vai engolindo o sol
O no swing dessa mulata, meus desejos dão nó.

Só saindo pra gandaia
Assim vou enfrentando os dias
Só lembro de ouvir: vá ficar com sua laia.

Eu vou me embriagar
Eu vou encher a cara
Se dona Maria se zangar
Vou lhe dizer: larga disso e vem deitar.

A dança das gotas

Envolvidas no balé clássico da chuva
Dançam no ar sem preocupação
Companheiras do vento
Viajam de um lugar a outro
Sem qualquer indagação
Mas no fim
Aí sim
É quando a graça acaba
A tristeza paira
E elas se esborracham no chão

Migalhas

Passa tempo, o tempo não passa.
Apresso o relógio, mas a hora atrasa.
Errei sim
Não precisava ser assim
Eu sei que posso ser melhor
Mas você me coloca
Como sendo o pior
Oportunista?
Não
Tolo?
Talvez
Amante?
Sim
Amo a mulher pela qual larguei tudo e todos
Fiz tudo que fiz por você
Mas se esqueceu
Errei feio, precisava de ajuda e não busquei
No desespero fui até você
Buscar migalhas do seu amor
Aquele pelo qual chorei

Não vai se calar

Somos marcados por sentirmos tudo ao extremo
A dor que sinto agora é a que mais feriu em todo esse tempo
Vou guardar você como o medo que não quis enfrentar
Como um real sonho bom que não soube contornar
Vou guardar você como meu maior erro
Ou maior acerto em te conhecer
Minhas falhas em não prosseguir
Não fui forte para continuar
Vou te guardar
Como o amor que nunca vai se calar

Por nós dois

Tudo bem
Assim achei que íamos estar depois de tudo
Depois que você se foi
Tudo bem
Alimentei versos lindos pensando em você
Pensando em nosso amor
Acho que estou bem
Te ver sorrir, feliz e sozinha.
Fez meu mundo desabar em dor
Não quero te ver sofrer por mim
Só espero acreditar que enfim mudou
Meu mundo sem você parece o fim
Mas se pedir pra ir te ver
Por nosso amor, então eu vou.

Confissões

Diria que meus poemas
São crimes sendo confessados
Minha fuga
É o que retiro da mente
Ou do coração que já está pesado por demais
E apenas coloco no papel

terça-feira, 24 de março de 2009

Sonhos

O mundo sem o universo
Não seria nada
Em contrapartida
O universo sem o mundo nada seria.
Pois vivemos numa pressuposição do nada.

O vazio antes do beijo

Que hora mais insana
Não se fala por não ter mais nada
O tremor que abastece meu corpo
Joga tudo no coração e ele quase pára
Mas porque parar no momento
Em que era pra continuar?

Gosto do teu olhar
Tua boca úmida
Meus beijos secos
Tua pele gelada esperando meus dedos
Tudo dentro de mim desenfreado
Tenso, desencadeando meus medos

Ainda assim tento desviar
E sem importar arrisco te beijar
Em um passo chego a ti
Já não pensando em mais nada
Toco seus lábios com os meus
Sem pelo menos te pedir

Promessa infame não mais me ame

Absurdas promessas, desiludas.
Não creio mais em tuas palavras
Nostálgicas sem fundamento
Mas ainda as joga para o vento

O mesmo vento que um dia
Levou o amor que te cobria
Fez de toda alegria sucumbida
Virar uma nuvem negra e sombria

Não mais venha dizer que me amas
Pois já tapei meus ouvidos
Já não venha com teu perfume me seduzir
Pois bloqueei meu olfato
Não me venha com tua pele morena e sedenta
Pois arranquei meu tato para não ter mais contato

Apenas me deixe embalar na leve brisa
Deixe que me leve ao alto mar
Deixe vive-lo sem exaltar
Pairar na leveza do por do sol
E esperar minha morte chegar

Ápice

Deixarei de lado todas as riquezas
Pararei o mundo para ver-te desfilar na calçada da vida
Desprezarei toda imagem que há no fundo
Para focalizar tua beleza
Direcionarei minha vida em prol da tua

Fui ao infinito horizonte te buscar
No mais belo arco-íris te encontrar
Quis ter sem te pedir
Casar tua mão a minha,
Aflorar esse sentimento puro entre nós
E deixar fluir

Tua pele suave como pétalas de rosas
Teu corpo exalando perfume
E este, fazendo-me virar a cabeça.
Loucuras incontestáveis
Desejos insaciáveis
Uma infinita e diversificada busca
Pelo extremo prazer de nossos corações

Teu corpo junto ao meu
Encaixe perfeito, completam-se.
Meu leve tremor, teu baixo gemido.
Tuas mãos levemente me acariciando,
Teu pescoço aquecido por minha respiração ofegante
Nossos corpos desgastados, suados a tremer.
No ápice, cadenciamos.
E nos levamos ao êxtase do prazer

A se dizer a quem ama

Bom... A única coisa que te posso dizer é
Que se não fosse você já teria desistido lutar pelo que sonho.
Estar ao seu lado é estar seguro, livre das maldades que o mundo me propõe a passar.
Sei que não podemos mudar o passado, mas certamente podemos mudar o futuro.
Espero que consigamos cumprir nossos juramentos, nossos votos, nossos anseios e que consigamos aprender com nossos erros para que não nos volte a incomodar.
Não tenho nada tão clichê e tão comum para se dizer a uma pessoa que ama além de Eu Te Amo!

Sem limites para algo perfeito

Beijar teu pescoço
Cheirar teu cabelo
Ir descendo pelas tuas costas
Sentindo tua pele macia e cheirosa
Arrepiada de prazer

Beijar tua barriga, morder.
Subir para teus seios
Deliciar-me com tal
Sentir teus mamilos
Durinhos a me corresponder

Descer aos teus pés
Acaricia-los, beija-los.
Subi deslizando nas curvas de tuas pernas
Derrapando, desafiando o perigo
Que havia em cada uma delas

Deixando meus sentimentos fluir
Fazer e deixar você pedir
Roçando meu corpo ao teu
Minha pele nua sobre a tua
Saber que em meus atos, percebeu.

Lembro-me bem, o vento frio
Passando entre os lençóis
Em meu corpo tua mão corria
Sem medo da velocidade
E da pureza que a perseguia

Eu sem destreza alguma
Me deixava levar
Com uma leveza incontestável
Como se pudesse pintar o céu
Ou bailar no fundo do mar

quinta-feira, 19 de março de 2009

Queira mais tempo

Chuva cai além
Você não vai mais voltar esta noite
Quero te ter no meu mundo
Só por um segundo aqui.
Aquele teu sorriso
Que não voltará, por quê?

Será que não vê o quanto sofro sem te ter?
Verá que não sou mais o mesmo sem você

Onde está você? Meu bem.
Tua falta faz lembrar de nós
Espero que esteja em paz, zen.
Por tudo que vivemos a sós
Ainda sinto o teu calor na cama fria
Assistia teu leve sono e apenas sorria

Será que não vê o quanto sofro sem te ter?
Verá que não sou mais o mesmo sem você

quarta-feira, 18 de março de 2009

O amor quando parte de um só coração,
Não se estende pela eternidade.
Morre nas entranhas do tempo
E pelas inúmeras tentativas frustradas.

Tudo de novo

Na estrada escura sem saber pra onde ir
Mas sabia aonde chegar
Pra te ver, faria tudo de novo.

Chuva fria, à distância e o medo.
Saciava meu desejo saber
Que iria te amar

Teus olhos cor de mel
Tua boca macia eu quero beijar.
Adoçava minha vida, um fel.

Tua fuga

Ela não tem depressão
Tem caixa pra viajem
Vai curtir carnaval com amiga
Esconde da nossa verdade em algum lugar
E ainda tem consulta com analista

E eu vou ao SUS
Sem grana, fico em casa
Ora deitado ora andando
Enquanto você ri dessa merda
Eu não vejo graça.

Migalhas

Passa tempo, o tempo não passa.
Apresso o relógio, mas a hora atrasa.
Errei sim
Não precisava ser assim
Eu sei que posso ser melhor
Mas você me coloca
Como sendo o pior
Oportunista?
Não
Tolo?
Talvez
Amante?
Sim
Amo a mulher pela qual larguei tudo e todos
Fiz tudo que fiz por você
Mas se esqueceu
Errei feio, precisava de ajuda e não busquei
No desespero fui até você
Buscar migalhas do seu amor
Aquele pelo qual chorei

Afaga-me

Ainda não sei quem sou.
Aparentemente me perdi em algum lugar da minha história.
Lugar esse que não faço idéia onde está.
Nem como chegar lá.
Porém a ajuda que recebo,
Não vem das mãos que me afagaram por tempos.
Vem de mãos que por tempos nunca estiveram em meu corpo.

Mera emoção

Remessa a você
O cansaço que bateu
Vestígios da tristeza
Amargou, me usou, doeu.

Meu amor doentio
Fere, machuca, destrói
Quando era assim comigo
Achava-me tal herói.

Por saber distinguir
A real face da ilusão
Amontoei no canto esquerdo
Toda minha afeição

Ao invés de abrir com a mão
Enfiou uma faca rasgando ao meio
E o que construímos nesse tempo
Fez dele, mera emoção.

terça-feira, 10 de março de 2009

Delírio de um homem imundo

Queria ser
Liberto da tua escravidão
Você propôs assim
No estado lastimável
Que foi estar só
Te conheci melhor

Que tudo tende
Não estar ao redor de mim
Você quis assim
Quando tudo que peço
É água pra matar minha sede
Sede de vida

Estar só
Viver só
Pra ti
Amor não é tudo
Te ver
Te pedir
Um beijo
Melhor viver mudo

Queria ter
Dedicado mais aos meus poemas
De tal forma que não fossem banais
Para ter visto
No coração infinito
Capaz de ter amor mais e mais

O céu paraíso
Tentei encontrar amor
Amor que lá não da
Desci à Terra
Para ver nosso filho
Que lá não esta

Te ver só
Querer só
Pra mim
Ilusão de um mundo
Transformar
Misturar
Ao prazer
Delírio de um homem imundo

Deixe que o amor se vá

Eu consigo viver sem poder te olhar
Consigo até dizer sem ter o que falar
Poderei ate esquecer da minha própria vida
Sem medir as conseqüências me empolguei com o mar

Não posso brincar de te amar
Quero viver ao teu lado
Quanto tempo mais vou agüentar
Sem poder te ter, sem poder me dar.

Sem que pudesse ter qualquer medida
Deixei meu caráter se esvair
Parei para poder ver o por do sol
Deitei na rede pra ter minha mente invadida.

Não posso deixar de viver
Meu mundo pequeno e inexpressível
Quero tornar tudo mais delicado
Para terminar com isso, o mais tardio.

Despedida

Seu olhar no meu
Sem reação
Sem palavras
Mas com sentimentos
Desejos
Saudade
E o cheiro do seu corpo
Que um dia me fará falta

Instiga-me

O teu corpo na cama
A meu ver
Não bastava saciar
O frio não baixava a excitação

Teus seios macios
Minhas mãos firmes
Acariciando e aquecendo-o.
Entre nós dois apenas um fio

Ao molhar-me de vontade
Delirei ao tocar
Fui provar o gosto e o cheiro
Do que fascinou apenas de olhar

Entre arranhões, mordidas e puxões.
Beijos cheios de paixão
Tesão que aumentava nossa ância
De enfim gozar dessa longa emoção

Canção pra você

Rir até a barriga doer
Até incomodar você
Chorar até os meus olhos secar
Até você perceber

Que meu amor (está fora)
Você não quer (Vá embora)
Mas eu te amo e espero que saiba ho meu amor.

Bater é algo que meu coração não quer fazer
Mas te dizer que eu não quero você isso não é possível
E te falar de coisas tão lindas isso é comigo
Olha o modo que sou para ti meu amor
O tempo passar é coisa que não tem valor

Te espero
Te amo
Escute o que eu falo, pois é da vida que eu quero o sabor.
Mas eu te amo e espero que saiba ho meu amor.

Deprimido

Irônico.
Basicamente,
Tomar esse "tal" de anti-depressivo
Me deprime.

Iniciação

Calendário