quinta-feira, 26 de março de 2009

África

Sem um tema para conter meus problemas
Vivo na falta do que fazer
Estou de cá pra lá
Em meio a cenas obscenas
Numa vida sem lazer

Contudo espero minha liberdade
Lutar por minha salvação
Tenho sede e vontade
Desejo do fundo da minha alma
Conquistar minha ambição

Meus olhos abertos vêem ao redor
Fome, desgraça, miséria, sem poder.
Pudera eu não sendo menor
Livrar-me deste temer

Sem pedir nem dizer
Aproveitam nossos frutos
Roubam nossas riquezas
Nos usam como cobaias
Nos fazendo sofrer

Seco, forte, quente, negro.
Nos levam pra outro lugar
Batem, gritam e me chamam de "negro”.
Esquecido do mundo, deixado pra lá.
Feito animais imundos
Não mais nos deixam sonhar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Calendário