quarta-feira, 13 de maio de 2009

Aos meus amigos que nunca pensei ter

Nunca pensei ver a podridão
Alojada no coração das pessoas
Que julgavam serem meus amigos,
Falavam que me conhecia.

Já ouvi isso há tempos,
Mas não pensei dizer
E para essas tais pessoas eu digo:
“A justiça tarda, mas não falha!”

É uma pena ver meus ditos amigos
Serem apenas carcaças velhas e imundas,
Jogadas para que alguém as colha.
Entristece-me os fatos.

Se acha que estarei
Jogado ao vento frio e a chuva,
Esperando que alguém me salve.
Estão completamente enganados

Pois as flores que um dia partiu,
Que murcharam em meu jardim.
Hoje estão esbeltas e lindas.
No lugar das rasteiras há uma bela floresta.

A cada tombo ou desilusão que tenho,
Rejuvenesço, pois sou como a Fênix.
Quando você acha que acabou
É quando realmente está começando.

Meu sangue se transforma em fogo.
Alimenta-me, faz superar.
O ódio eleva e determina.
O amor guia-me para uma nova era

Antes, tinha medo de perdê-los.
Mas hoje, meu medo é de conhecê-los.
Amigos, Amigos não se vão!
Obrigado aos que realmente são!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Calendário