quarta-feira, 13 de maio de 2009

Comendo carne fria e chupando os ossos

A decepção em minhas lagrimas
Condizem com os fatos lamentáveis.
O que eram eternos amigos
Hoje não passam estranhos insuportáveis.

Não mais deixarei atingir-me.
Obrigado pelas desilusões.
Serei grato pelo que aprendi.
Silenciarei minhas conclusões.

Como foste grosseiro, impetuoso.
Quando for a minha vez de vingar,
Deixarei o tempo dizer-te
E não vou ter dó nem pesar.

Deixarei a fúria lavar-me a alma.
Lembrarei com ódio teu desprezo.
Farei sangrar-te para sofrer.
Bem no final, cederei teus desejos.

Deliciarei cada minuto
Vai implorar para morrer
Vagará com sua alma desprezível
E isso pra mim, vai ser como nascer.

Um comentário:

  1. Nossa!!!Fiquei com medo de vc...rs...confesso q me mateu uma enorme curiosidade de saber q história se esconde por de trás desses "loucos" versos...!!!

    ResponderExcluir

Calendário