quarta-feira, 13 de maio de 2009

Deveras exercer

No caminho de casa te encontro.
O acaso haveria de brincar conosco.
Falamos de tudo, sem conteúdo algum.
Aguçara os desejos físicos.

A chuva caía para nos incitar.
Teu cabelo molhado,
Sua pele trêmula.
Nessa hora quase não falamos nada.

Olhei nos teus olhos,
Desejava sentir o gosto da tua boca
Sentir o leve enroscar de nossas línguas
Foi lindo enquanto havia sentido

Nossos corpos colados
Sentia tremer os ossos
E você em meus braços
Parecia querer mais

Mais foi o que não teve.
Deveras ser o ato da conquista
Sem rodear, sem prender.
Sem nem razões pra dizer

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Calendário